19 janeiro 2010

Festa do Chopebol 2009

Embora venha realizando este evento desde a década de 70, o Chopebol através de sua cúpula deverá rever seus conceitos para manutenção deste intento. Como sabemos, historicamente, o Chopebol surgiu da dissidência de um grupo de amigos que praticava o futebol nas dependências do INSS, no bairro da Aparecida.

Formou-se então, pela seleção dos escolhidos, um clã de juízes e advogados de direito de forma imperiosa, onde fundaram o clube e se instalaram na praia defronte ao Gug’s Saravá. Grupo fechado e de peso, tanto que, há um determinado tempo, chegaram a ter influência nos destinos políticos de nossa cidade. Hoje, no entanto, pelo afastamento dos chamados cardeais e a não continuação dada pelos filhos prodigiosos, o porquê da necessidade premente da renovação do seu quadro associativo.

Atualmente, o Chopebol sobrevive pela abnegação de Oswaldo Monforte, Tony Malatesta e Hélio Gonzalez, alem, é claro, da vontade de um grupo de meninos interessados em dar continuidade à história.

Acredito ser o desejo de muitos a idéia de preservar os hábitos antigos de realizar jogos de confraternização com os clubes de futebol profissional da Baixada, nas datas do natal e do final de ano; proeza esta emigrada da década de 60, do Náutico Praia Clube, os chamados Anos Dourados onde desfilavam todos os craques da época, até mesmo Pelé.

Na seqüência deste raciocínio seria oficiado à Secretaria de Esportes do Município – SEMES, para que este acontecimento faça parte do seu calendário esportivo, tendo em vista ser uma atração turística. Assim determinado e disciplinado pelo órgão, nos libertaríamos desta luta infinita que parece ferir o direito de ir e vir, preterindo a prática de esporte em favor dos exageros de croqueteiros e beberrões da areia. Portanto, será uma forma de manter esta tradição que advém da década de 60.

Isto tudo só será possível com a disposição e colaboração dos fundadores do Chopebol.

Poderia citar inúmeras pessoas que com certeza abraçarão esta idéia na ânsia de rever um Caravelas, um Ébano, enfim, ter contato direto com os verdadeiros craques do nosso futebol.

Esteve presente a este evento Geraldo Pierotti, empresário renomado e de sucesso, que já foi presidente do clube. Foi ele quem criou não só o hino do clube como também várias paródias com relação aos seus associados, por ser um letrista entusiasta. E, para contento geral, se prontificou a ajudar no resgate da imponência do Chopebol. Acredito que esta sua iniciativa servirá de incentivo aos demais.

Aproveito para agradecer a excelente cobertura da equipe do programa “Corpo e Ação”, da TV Tribuna, sob o comando deste abnegado jornalista que não mede esforços na divulgação do esporte em geral de toda Baixada Santista, o meu amigo Eduardo Silva.


Chopebol Veteranos
Chopebol
Buda, Galindo e Didi
Photobucket
Clodoaldo
Didi
Helio, Gonçalo, Didi e Galindo
Chopebol 2009
Clodoaldo
Photobucket
Photobucket
Pierotti
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket
Photobucket

Marcadores:

Festa de confraternização do Chopebol 2008

06 janeiro 2008

ARENA CHOPEBOL 2007

Cada vez torna-se mais difícil realizar o tradicional jogo do último dia do ano, em virtude do aumento absurdo dos farofeiros que invadem as praias, muito embora seja permitida por lei a prática de futebol a partir das 17hs. O duro, na verdade, é retirar a turma da “farofa” do meio de campo. Quase sempre acaba na incompreensão de alguns e problemas acontecem. Só que desta vez o Chopebol foi mais esperto e contratou um emissário para servir de interlocutor entre os farofeiros, que por sinal saiu-se a contento. Portanto, está de parabéns o meu amigo Odair Gonzalez, um verdadeiro gentleman na tratativa não só com os consumidores do etílico, como também com a turma dos esteirantes, dos coppertones e dos croqueteiros de areia, instalados em sua arena.
O pior é que a cada ano que passa, o que já temíamos há muito tempo , pelo fato da condenação de nossa cidade à condição de estância balneária, o número do grupo da marmita aumenta cada vez mais. E se você pensar bem, alijar da prática do esporte na praia para ceder este espaço a eles, é um verdadeiro crime. Sabedores que somos da falta de campos devido ao fim de nossa várzea, a praia tornou-se um elemento vital para a prática de esportes, que afinal, para não usar de redundância, é extremamente sadio aos nossos jovens.
Portanto, como sugestão para o próximo ano, as autoridades através da Guarda Municipal e da Secretaria de Esportes deverão mais é se preocupar em preservar os limites permitidos por lei, colocando avisos e fazendo o devido isolamento da área a ser utilizada, pois eventos como este é que atraem o interesse dos turistas na ânsia de ver de perto os seus ídolos, como era antigamente.
Enfim, apesar dos pesares a partida entre o Santos F.C. e o Chopebol aconteceu sob um clima de tranqüilidade, embora eu como árbitro..... Ufa! Como foi difícil empatar o jogo.
No 1º tempo o Santos Futebol Clube comandado pelos velhinhos Gonçalo (72 anos), Clodoaldo (80), Negreiros (95), Gilberto Costa (105) e Kaneco (200), deram um verdadeiro show de bola ao lado de Sérgio Dias (veja seu lindo gol de triciclo clicando aqui), Alexandre, Marcão, Claudinei e Caju, provando mais uma vez que o que prevalece sempre é a categoria.
Já no 2º tempo, em virtude de não haver mais tempo hábil para uma nova partida ,pelo adiantado da hora, ambas as equipes decidiram substituir a maior parte de seus elencos. Em virtude disto, o time do Chopebol ficou mais remoçado, no que acabou levando vantagem. No Santos entraram Galindo, Everaldo e Aluísio para comandar os mais novos como Flávio, Serginho, Gilberto, mas não conseguiram conter a reação da molecada do Chopebol que acabou empatando o jogo. O causo mais curioso foi que a plástica do 2º gol do Chopebol foi tão bonita que achei que o Serginho não estava impedido, e validei o gol. Pressões, broncas, escândalos do Claudinei, aliás, o melhor em campo, Everaldo e Gilberto Costa que acabaram por concordar comigo em dar somente o minuto que restava. Mas, infelizmente para azar deles, o gol de empate saiu em 30 segundos.
Agora me digam: que culpa tenho eu se eles aceitaram o acordo! Mas, no fundo todos sabem que os craques estão ali para deleitar os assistentes com suas jogadas de efeito e, o que mais vale é este dia que é simplesmente o dia universal da confraternização. Feliz Ano Novo !!
Abraços do Gigi